Arquitectura Sustentável

esap escola superior artistica porto eduportugal eduportugal

COMEÇO:
outubro
INSTITUIÇÃO DE ENSINO:
ESAP
ID:
PG
CREDITOS:
60

Instituições de Ensino:

Endereço

Largo S.Domingos n. 80, 4050-545 Porto   Ver mapa

Categorias

Pós-Graduação

Apresentação do Curso

O Curso de Pós-graduação em Arquitectura Sustentável é uma iniciativa conjunta que nasce da colaboração entre a ESCOLA SUPERIOR ARTÍSTICA DO PORTO e a CRITICAL CONCRETE, com o objetivo de proporcionar uma formação capaz de responder a desafios prementes da contemporaneidade, nomeadamente a exigência de adotar soluções construtivas sustentáveis e acessíveis.

A estrutura conceitual que o Curso propõe resulta assim de uma colaboração que junta, articula e readapta saberes da construção vernacular com métodos e conhecimentos da construção sustentável, com vista a utilizá-los para soluções construtivas inovadoras, e igualmente inspirada em indivíduos e organizações que se concentram na construção social e sustentável e envolvem abordagens das áreas da arquitetura e do urbanismo não convencionais.

A Pós-Graduação em Arquitectura Sustentável tem como objetivo a aquisição pelos alunos dos seguintes conhecimentos e competências comuns:

1. Adquirir uma base conceitual para uma abordagem ecológica e social da arquitetura e do planeamento urbano:

a. Sensibilizar para a necessidade de mudar as formas de construção e projecto convencionais.

b. Aprender a reconhecer métodos urbanos ecológicos e a criar cidades sustentáveis e habitáveis, integrando bairros sociais e habitações acessíveis com base no planeamento urbano sensível às alterações climáticas.

c. Compreender a importância de estratégias de economia circular, dos métodos locais de construção, bem como da correta gestão dos recursos hídricos e da eficiência energética

2. Partilhar conhecimentos sobre metodologias de construções sustentáveis, naturais e de baixa tecnologia.

3. Adquirir competências para gerir e financiar um projeto sustentável desde a fase projectual até à sua construção.

4. Aprender a implementar uma abordagem de baixo para cima aplicando metodologias de projecto e comunicação participativos, dotando as comunidades de instrumentos e estratégias de co-design que lhes permitam trabalhar com atores sociais e políticos.

5. Aprender técnicas para o envolvimento da população e de instituições locais, a fim de aumentar a consciencialização e as oportunidades para as pessoas em risco de exclusão social.